Conflitos entre inquilinos e proprietários? Saiba como resolver!

Conflitos entre inquilinos e proprietários são muito comuns no setor de imóveis. Quando isso ocorre, pode gerar uma série de transtornos e dores de cabeça para ambos os lados.

Diante desse cenário, o papel de um imobiliária é intermediar esses conflitos para encontrar a melhor situação para as duas partes. Sendo assim, para saber quais são os conflitos mais comuns e como a imobiliária deve agir para apaziguar, basta continuar lendo esse conteúdo!

Resolvendo Conflitos
Foto de Fauxels no Pexels

Conflitos entre inquilinos e proprietários

Assim como em qualquer outra área do mercado, o setor de imóveis pode sofrer com problemas entre os clientes. Um dos mais comuns nessa área é, sem dúvida, os conflitos entre os inquilinos e proprietários de um imóvel.

Na maioria das vezes, essas desavenças podem ser resolvidas de modo fácil. Por outro lado, não é raro que esse problema vá parar na justiça, o que acaba causando uma série de transtornos para ambos e também para a imobiliária.

É por esse motivo que a administradora imobiliária precisa ter certos conhecimentos a respeito dos diretos e deveres de cada uma dessas partes. Para que assim possa resolver os interesses tanto do locador quanto do locatário, de um jeito prático.

Como dito acima, a função de uma imobiliária é intervir quando essas situações ocorrem, para apaziguar as duas partes. Porém, há algumas medidas que podem amenizar ou até mesmo evitar que esses problemas ocorram.

Principais conflitos entre inquilino e proprietário e como resolvê-los

Não é novidade que a locação de imóveis é um negócio que gera benefícios para os dois lados, certo? Ainda assim, é uma situação que contribui para que surjam desavenças entre o locador e o locatário, trazendo assim uma situação incômoda.

Portanto, sem mais delongas, confira logo abaixo quais são as principais situações que podem causar conflitos entre os dois lados e como resolvê-los sem maiores dores de cabeça!

1. Atraso no aluguel

O primeiro item dessa lista só podia ser o atraso no aluguel, um dos principais causadores de conflitos entre inquilinos e proprietários. Além do pagamento de IPTU e condomínio, que também são outros motivos para gerar brigas.

O proprietário espera receber o valor do aluguel no dia previsto como sua fonte de renda, já o inquilino pode demorar a pagar por estar com problemas financeiros. Caso tenha algum atraso, o locador poderá cobrar multas e juros, segundo a Lei do Inquilinato.

Contudo, quando o morador mal tem dinheiro para pagar o valor do aluguel, essa não é a melhor forma de resolver o problema. É normal que, diante dessa situação, o primeiro impulso do dono do imóvel seja entrar com uma ação na Justiça para cobrar os valores ou então despejar o inquilino.

O problema é que essa ação é lenta e pode levar meses ou até anos para se resolver. Além disso, os custos financeiros também são altos, além do custo emocional, o imóvel ficará ocioso até que outra pessoa apareça para alugar.

Por isso que o ideal é buscar por uma conciliação entre ambas as partes. Uma ideia é estudar a opção de fazer um acordo extrajudicial para preservar o interesse dos dois lados, o máximo possível.

Dessa forma, se entende o motivo de tal situação e negocia novas condições para assim resolver as pendências de um modo mais amigável. Como por exemplo, reduzir o valor do aluguel ou dar um desconto na multa de rescisão.

Embora o proprietário não tenha a obrigação de aceitar a redução dos valores, essa é uma alternativa mais pacífica e eficiente, ao contrário da via Judicial, mais complexa e lenta.

Como vimos, lidar com a inadimplência dos inquilinos não é uma tarefa das mais fáceis, não é mesmo?

2. Entrega do imóvel

Entrega do imóvel
Foto de Karolina Grabowska no Pexels

Aqueles que já passaram pela experiência de alugar um imóvel, sabem muito bem que há uma série de regras e normas no processo de entrega do imóvel. Como por exemplo, o estado de conservação do imóvel deve estar igual ao início do contrato.

Nesse caso, um dos itens que mais são exigidos é a pintura das paredes e teto. Ou seja, é quase uma obrigação do inquilino entregar o imóvel limpo e com a pintura intacta.

Porém, há muitos outros itens que podem ser exigidos no contrato de aluguel, e é preciso que o inquilino fique atento a todos eles. Para evitar esse conflito entre inquilinos e proprietários, é necessário que o inquilino se informe melhor sobre essas exigências durante a negociação.

Essas informações devem estar presentes no contrato e registradas no termo de vistoria. Para isso, contar com a ajuda da imobiliária pode fazer toda a diferença nessa hora! Ela poderá lembrar o inquilino de dar uma olhada no contrato, para certificar-se de cumprir com todas as exigências, dentre outras ações.

3. Queixas frequentes de vizinhos

Para o caso de quem mora em condomínios há também certos desafios a se enfrentar; um deles é ter cuidado em relação às regras de convivência. Há locais que são compartilhados com outras pessoas e, por isso, existem leis que devem ser seguidas por todos.

Na maioria das vezes, essas desavenças entre os vizinhos são devidas a festas, muito barulho, som alto fora de hora. Além da entrada e saída de pessoas que não moram no condomínio, entre vários outros problemas.

Após reclamar e os vizinhos não verem alguma contribuição do inquilino em questão, é normal que eles procurem o dono do imóvel para encontrar uma solução. No entanto, essa situação poderá gerar conflitos entre os inquilinos e os proprietários.

Para evitar esse conflito, é preciso que a imobiliária alerte o inquilino a respeito de todas as regras de convivência do condomínio. Para assim evitar desavenças entre os vizinhos e obter um melhor relacionamento com o dono do imóvel.

4. Descuido com o imóvel e reparos sem a ciência do locador

A falta de cuidados com a manutenção do imóvel é um problema que pode trazer diversos prejuízos ao dono. Aliás, esse é um dos conflitos mais comuns entre o inquilino e proprietário na hora de entregar o imóvel.

Para evitar que essa situação ocorra, é dever da imobiliária orientar o inquilino para ficar atento ao contrato. Isso porque nesse contrato constam regras com relação à manutenção do imóvel.

Além disso, o inquilino também deve estar ciente de que primeiro deve ter a permissão do proprietário antes de realizar alguma obra no imóvel. Jamais deve fazer um reparo ou reforma sem antes consultar o dono.

Até porque esse é um conflito que pode até mesmo abrir um processo na Justiça. Ou seja, é crucial que o inquilino leia com atenção o contrato, além de sempre conversar com o proprietário, caso haja a necessidade de fazer alguma obra.

Assim, ambos encontrarão uma melhor solução e evitarão muitos transtornos. Antes de fechar o contrato de locação, também é preciso fazer uma vistoria do imóvel e tirar fotos da atual situação do local.

Essa simples medida poderá proteger ambos os lados, caso ocorra alguma divergência com relação ao estado do imóvel.

Direitos e deveres dos inquilinos e proprietários

Para que inquilinos e proprietários tenham uma relação pacífica, é vital que ambos estejam cientes sobre os seus respectivos direitos e deveres. Veja logo abaixo quais são eles!

Direitos do proprietário

É direito do dono do imóvel escolher a garantia locatícia que deseja incluir na negociação. Assim como tem o direito de, caso haja inadimplência do inquilino tomar o seu imóvel, tanto por via judicial quanto de forma mais amigável.

Direitos do inquilino

Direitos e Deveres do Inquilino
Foto de Mikhail Nilov no Pexels

Já o inquilino tem o direito de devolver o imóvel quando quiser, não importa qual o prazo previsto em contrato. Contudo, caso opte por entregar o imóvel antes do fim do prazo estabelecido, o inquilino deverá pagar uma multa de acordo.

Deveres do inquilino

E agora, vejamos quais são os principais deveres do inquilino:

  • Pagar em dia o valor do aluguel, bem como algumas outras contas, como o condomínio, água, luz etc.;
  • Respeitar a finalidade a que se destina a moradia;
  • Avisar ao dono caso haja algum problema na estrutura do imóvel, mesmo que não seja de sua responsabilidade; e
  • Entregar o imóvel nas mesmas condições em que estava quando o recebeu.

Sendo assim, a melhor forma de evitar os conflitos entre os inquilinos e proprietários, é que ambos saibam qual o teor do contrato durante o negócio. Quando ambos sabem bem quais são os seus direitos e deveres, é possível obter uma melhor relação.

O papel da imobiliária

E vale notar que a imobiliária é como uma espécie de elo entre ambas as partes. No começo da locação, a imobiliária é a ponte entre ambos, depois disso, deve atuar para manter a harmonia e cuidar dos interesses dos dois lados.

Caso identifique alguma potencial crise entre o inquilino e proprietário, é papel da imobiliária atuar para que isso não ocorra ou mediar as tentativas de conciliação.

O ideal é que a imobiliária tente entender o lado do inquilino e depois averigue a abertura do proprietário com relação à negociação. Caso não tenha sucesso em qualquer tentativa pacífica de resolver o problema, então será necessário recorrer por via Judicial.

Conclusão

Como você pôde ver ao longo desse conteúdo, conflitos entre inquilinos e proprietários são bem comuns. Mas, podem acabar trazendo muitos problemas e dores de cabeça para ambos os lados e também para a imobiliária.

Por isso que a imobiliária deve atuar para encontrar uma melhor forma de resolver essas questões. Por fim, o que você achou desse conteúdo? Foi útil para você? Então, não esqueça de compartilhar com os seus amigos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.